Áureo Cisneiros relata 10 meses de sua demissão da Polícia Civil do Estado de Pernambuco

Há exatos 10 meses fui demitido da polícia civil do Estado de Pernambuco. Um processo injusto, parcial e doloroso para quem sempre se colocou à disposição da luta pelos direitos e melhorias dos Policiais Civis e toda a classe trabalhadora.

Todos sabem o quanto sou intenso quando o assunto é a luta por direitos. Muitas noites sem dormir, muitas vezes sem me alimentar, mas com a convicção e a força de quem sabe o quanto é cara a luta sindical no nosso país e no nosso Estado.

‌Tive muitos momentos de alegria, quem é sindicalista sabe o quanto é importante ver a categoria à qual se faz parte se somando a um só coro, e assim impondo as conquistas adquiridas nas ruas e nas lutas.

Ocupávamos as últimas fileiras como um dos Estados que mais não reconheciam os esforços da categoria da polícia civil, tendo um dos salários mais baixos do Brasil (agora novamente). A partir das nossas lutas e intensas mobilizações, conseguimos as melhorias salariais tão almejadas naquele momento, fazendo disso combustível para lutarmos e denunciarmos as péssimas condições de trabalho, sejam nas delegacias de polícia, IML, IC, ITTB, nos equipamentos que utilizamos em operação, e, se hoje tivemos qualquer tipo de melhoria, foi fruto de um processo intenso de lutas que travamos ali.

Dirijo-me, neste momento, não apenas aos meus amigos e amigas Policiais Civis, mas a toda sociedade Pernambucana: Estou firme! Tenho esperança de que conseguiremos reverter esse absurdo. Sou daqueles que acreditam que a justiça tarda mas não falha. Esse é um caso claro de perseguição política, e por isso estamos plenamente confiantes que vamos reverter. Para isso, eu contei e conto com essa imensidão de solidariedade, seja através de uma mensagem, de um esforço em somar nas ruas pela minha readmissão ou até mesmo uma ligação, me dando forças para não tropeçar e desanimar.

Embora saiba que nem todos estejam empenhados nisso, alguns se aproveitam da situação calamitosa para tentar me fazer esmorecer, desanimar e diminuir, tentando assim apagar a minha história. Mal sabem esses que não é apenas a história de Áureo Cisneiros, é a história de uma categoria que, unida, consegue reverter qualquer impasse. É a história da tão comentada democracia, que no último período tem se tornado tão falada e pouco aplicada.

Continuaremos na luta contra toda forma de opressão, inclusive a implementada pela gestão do PSB através do Governador Paulo Câmara, que se assemelha inteiramente ao Bolsonarismo e sua política de perseguição e aniquilação da classe trabalhadora. A luta continua!

“A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos”. (Montesquieu)

Áureo Cisneiros

Deixe aqui seu comentário ...

Outras postagens

Se encerrou no último dia 20, o prazo para as inscrições do Projeto Toritama, que tinha como desígnio gerar um banco de …

Há 3 meses membros da União dos Estudantes Secundaristas – UESP estão realizando a campanha Incluir para Democratizar. Que através de um …

Uma família viveu momentos de terror após um bebê de um mês de vida engasgar e ficar sem respiração por alguns minutos. …

Rolar para cima