Gaecos do MPPE e MPMG, Polícia Civil e PRF efetuam prisões em cidades pernambucanas para desbaratar esquema de pirâmide financeira

Os Ministérios Públicos de Pernambuco e de Minas Gerais, por meio dos seus Grupos de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de Pernambuco (Gaecos) e com apoio da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) cumprem, na manhã desta quinta-feira (25), cinco mandados de prisão, 12 mandados de busca e apreensão e ainda busca e arresto de bens contra integrantes de uma organização criminosa envolvida na prática de pirâmide financeira, crimes contra as relações de consumo e lavagem de dinheiro. Em Pernambuco, os mandados foram cumpridos no Recife, Caruaru, Pesqueira e Gravatá.

Duas pessoas foram detidas em Gravatá e serão conduzidas à delegacia local, onde ficará à disposição da Justiça para realização de audiência de custódia e eventual recolhimento ao presídio. O líder do grupo, que reside em Caruaru, foi localizado e detido na cidade de João Pessoa (PB). Com ele foram encontrados automóveis de luxo das marcas Lamborghini e BMW.

Já o material apreendido no Recife inclui documentos bancários, R$ 287.000,00 em espécie e veículos, totalizando um valor aproximado de R$ 600 mil. O material vai ser encaminhado ao Gaeco, no Recife, onde passará por uma análise inicial e depois será remetido ao MPMG.

As ações ocorrem dentro da Operação Black Monday, deflagrada simultaneamente nos Estados de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Bahia, Alagoas, Goiás, Maranhão, Rondônia, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Essa operação acontece como desdobramento de investigações iniciadas pelo Ministério Público de Minas Gerais em maio de 2020. O MP mineiro colheu indícios de que a organização criminosa estaria captando recursos do público através dos sites Aprenda Investindo e Investing Brasil com a promessa de realizar investimentos lucrativos. Porém, os valores transferidos eram convertidos pelos criminosos em bens de alto valor e criptomoedas, gerando um prejuízo estimado de R$ 60 milhões. Até o momento, as investigações identificaram cerca de 1.500 vítimas do esquema.

O Ministério Público de Minas Gerais vai realizar entrevista coletiva às 16 horas de hoje (25) para apresentar o resultado da operação.

Deixe aqui seu comentário ...

Outras postagens

Se encerrou no último dia 20, o prazo para as inscrições do Projeto Toritama, que tinha como desígnio gerar um banco de …

Há 3 meses membros da União dos Estudantes Secundaristas – UESP estão realizando a campanha Incluir para Democratizar. Que através de um …

Uma família viveu momentos de terror após um bebê de um mês de vida engasgar e ficar sem respiração por alguns minutos. …

Rolar para cima